Artigos

Empatia estimula a permanência de profissionais nas empresas

Share Button

Por Johannes Castellano*

Muito se fala sobre a empatia ao longo de nossas vidas, sob várias perspectivas e conceitos. Em geral, o entendimento popular sobre o termo é sintetizado na ideia de “colocar-se no lugar do outro” para melhor compreendê-lo e ajudá-lo, mas também podemos projetar essa questão de outra forma, com maior enfoque em seu exercício dentro de um cenário profissional.

Há algum tempo, estive envolvido em um projeto, que tinha como objetivo aumentar a retenção de empregados dentro de uma empresa que sofria com a perda de muitos desses colaboradores. Ao conversar com executivos, gerentes e outros indivíduos que ocupavam cargos de chefia, foi possível notar que eles sabiam muito pouco sobre desejos e anseios desses funcionários (em sua maior parte, jovens).

A partir do momento em que a empresa começou a mudar sua abordagem, realizando pesquisas e buscando entender questões que geravam motivação, ela percebeu que conseguiria atender às expectativas desses jovens talentos. A verdade é que essa empresa começou a exercitar o ponto crucial do conceito de empatia: enxergar a si mesma sob a ótica do colaborador.

Iniciativas como contratos de trabalho part time, cargas horárias flexíveis e possibilidade de realizar home office faziam brilhar os olhos daqueles jovens, uma vez que poderiam ser acordadas e definidas sem demandar grandes esforços ou sacrifícios. Dessa forma, não apenas a comunicação, mas também a produtividade e o alcance de metas foram afetados de forma positiva.

Com base nessa experiência, podemos nos inspirar e nos apoiar bastante no exercício da empatia no trabalho. Busque ser atencioso e entender o mundo através do olhar dos outros, pois assim todos têm a ganhar ao fim de todas as tarefas.

Johannes Castellano2

*Johannes Castellano é diretor de Gestão de Pessoas e TI da Adama

Posted in: