Notícias

Google é a empresa dos sonhos dos executivos

Share Button

Mais de 4,1 mil empresários, presidentes, diretores e gerentes seniores do país participaram da segunda edição da pesquisa Empresa dos Sonhos dos Executivos, realizada entre janeiro e fevereiro, pelo Grupo DMRH e pela Nextview People.

O estudo traz o ranking das dez empresas nas quais os executivos brasileiros sonham trabalhar. Por meio de pergunta aberta – a pesquisa foi feita pela internet –, 53% disseram ter uma empresa dos sonhos, ante 66% obtidos em 2012.

A favorita dos executivos foi o Google, seguida pela Natura e Petrobras.Confira as 10 mais citadas:

  1. Google
  2. Natura
  3. Petrobras
  4. Unilever
  5. Nestlé
  6. Vale
  7. Apple
  8. General Eletric
  9. Odebrecht
  10. Microsoft

 

Dentre os pesquisados, 57% têm entre 34 e 48 anos, 69% têm pós-graduação lato sensu e 73% são homens, uma amostra do perfil da liderança das empresas brasileiras.

Na visão desse público, uma empresa dos sonhos precisa ter uma proposta de valores e crenças em que ele acredite (25%) e propiciar equilíbrio entre vida pessoal e profissional (21%).

Por outro lado, 25% elegeram as empresas acima como a dos seus sonhos pela admiração por seu segmento de atuação e/ou por seus produtos/serviços.

A pesquisa evidencia também o posicionamento dessas marcas no papel de empregadoras (Employer Branding), pois as duas principais fontes de informação dessa escolha são a imagem que a empresa passa por meio da boa qualidade de seus produtos/serviços (28%) e a imagem que passa por meio de pessoas que trabalham ou trabalharam na organização (18%).

Os executivos também foram questionados sobre o que deve estar no radar de companhias que querem figurar no ranking; 30% ressaltaram o quanto agrega trabalhar em um ambiente inspirador, um local em que o profissional perceba que de fato está se desenvolvendo.

“A pesquisa nos mostrou que a palavra do momento para o executivo é credibilidade – o quanto ele quer trabalhar numa empresa em que efetivamente acredite e até se orgulhe”, destaca Sofia Esteves, presidente da DMRH.